Gestão de Riscos de Fornecedores adicionando Valor a Compras pra valer

Gestão de Riscos de Fornecedores adicionando Valor a Compras pra valer

O que antes era uma boa informação, agora foi definido por lei.
Conforme cresce a preocupação em torno da ainda existente associação a escravidão moderna, conflitos e mudanças climáticas, muitos governos e o setor privado estão exigindo – com apoio regulatório – que as empresas garantam cadeias de fornecimento éticas, seguras e sustentáveis.
Para mitigar os custos regulatórios e de reputação, as organizações precisam de informações robustas, precisas e amplas sobre os fornecedores.
Para aqueles com grandes cadeias de fornecimento complexas, isto não é tão simples. Mas, além de aliviar o risco, obter informações de seus fornecedores e dos demais tiers, também pode gerar valor.

Então, como as organizações podem tirar total proveito das informações que seus fornecedores fornecem?

Saiba o que está em jogo além de as organizações serem capazes de fornecer certas informações de fornecedores, elas também devem compreendê-las plenamente.
As penalidades por não obter este direito podem variar de multas que podem chegar a milhões de reais ou dólares até a exclusão da licitação de contratos governamentais e privados.
Outra consideração é que funcionários e consumidores estão começando a se afastar de empresas que eles consideram sem princípios.
Um estudo constatou que 45% dos consumidores da Gen Z deixaram de comprar determinadas marcas por preocupações éticas ou de sustentabilidade – ESG.
Como esta pressão das partes interessadas continua, o mesmo acontece com o risco de reputação para as empresas que não cumprem.
Da mesma forma, estas partes interessadas favorecem marcas que fazem um esforço para ser conscienciosas.
Os compromissos morais, como o uso exclusivo de embalagens biodegradáveis e o apoio a fornecedores que pagam um salário decente, estão no centro de muitas estratégias de marketing e branding.
Uma oportunidade mais focada internamente é gerenciar o valor que os fornecedores geram durante toda a vida do relacionamento – SRM.
Para conseguir isto, as organizações devem ter boas práticas de gerenciamento de fornecedores, um SRM estruturado e com gente muito competente no cockpit.
Esse relacionamento tem que ajudar a receber informações relevantes e a reconhecer onde mais pode ser necessário atuar preventivamente e se possível ser atualizada quase que diariamente.
Reunir as informações corretas os dados mestre do fornecedor, a base sobre a qual todas as informações relacionadas ao fornecedor podem ser construídas, devem ser super bem gerenciados.
É crucial que as organizações reúnam as informações corretas no início do relacionamento, antes de mantê-las atualizadas.
Isto deve ser feito de forma estruturada e controlada e com uso de tecnologia, sobretudo Inteligência Artificial.
Os três tipos de informações de fornecedores que estão sujeitos a este escrutínio mais detalhado são material básico de negócios, desempenho e gerenciamento de risco e ESG.
Na maioria das vezes coletadas antes de começarem a colaborar, a primeira categoria está relacionada ao que o fornecedor faz e aos itens que ele fornece, bem como aos detalhes de contato e pagamento.
Também inclui preços, referências, certificações e o contrato assinado. As informações de desempenho são coletadas ao longo da parceria.
Como o nome sugere, aplica-se às informações de produção e saída, bem como a fatores como KPIs, satisfação do cliente, informações de nível de serviço – SLA, entrega, qualidade, cumprimento do contrato e relatórios à vista etc etc.
Finalmente, as informações de gerenciamento de risco cobrem tanto a situação financeira do fornecedor quanto suas práticas comerciais.
Isto inclui informações sobre sua postura e práticas em torno de questões como trabalho análogo a escravidão, meio ambiente, saúde e segurança e questões de direitos humanos – ESG na pauta e na gestão dos seus fornecedores sendo aplicada e auditada regularmente.
O objetivo é receber e capturar informações de qualidade superior, para que possam ser avaliadas e colocadas em bom uso e para mitigar riscos.
Calçando os sapatos do fornecedor, considerando que as organizações são dependentes de fornecedores para esta informação, ter parcerias saudáveis com os fornecedores é uma necessidade absoluta.
Ser mais centrado no fornecedor começa com a priorização de uma única fonte de verdade nos dados do fornecedor e, em seguida, a remoção de todo o atrito no relacionamento.
Um desses pontos de fricção para os fornecedores é o processo de fornecimento de informações.
A forma como essas solicitações são comunicadas no início é muitas vezes contraproducente.
Não é raro que os fornecedores sejam inundados por um fluxo constante de solicitações que são complicadas de completar.
Na maioria dos casos, as informações devem ser mantidas em múltiplos portais, cada um com detalhes de login únicos.
Os sistemas e processos que os fornecedores usam para responder, raramente são projetados com sua experiência em mente.
Nem os questionários, que nem sempre casam certos detalhes sobre o fornecedor com as informações que estão sendo mineradas.
Na realidade, tudo o que os fornecedores querem é ser pagos e renovar seus contratos.
Assim, quando fornecer informações é confuso e demorado, eles tratam a tarefa como um exercício de tick-box, em vez de trabalharem juntos com a organização como parceiros em direção a um objetivo comum.
Solicitar informações por segmentos sem dúvida, oferecer aos fornecedores a experiência mais envolvente e relevante capacita-os a fornecer as melhores informações possíveis.
Uma maneira de conseguir isso é usar uma única fonte segura de dados dos fornecedores para segmentá-los em grupos.
Uma vez agrupados de acordo com determinados filtros – por exemplo, por país, categoria e gasto – a organização pode conduzir um fluxo de trabalho eficiente que leva às informações corretas de cada grupo de destinatários.
Ao gerenciar o risco, isto é crucial.
SEGMENTAR E DEFINIR BEM O SEU BSC Balanced Score Card e KPIs!

Lembre-se de pensar sobre Gestão de Riscos além de sua função de proteção mas também de geração de valor para todos os envolvidos.

Leonardo Alexander
Mais de 30 anos de experiência sendo Head de Suprimentos na AmBev/AB-InBev, P&G (Consumer Goods), B. Braun (Farma) e LATAM Head of Supply Chain Planning & Performance na BP (British Petroleum). Graduado em comércio exterior, extensão pela Columbia University e MIT ACE Program.

ARTIGOS RELACIONADOS

spot_img

MAIS ARTIGOS

7 passos para se ter sucesso no Strategic Sourcing

7 passos para se ter sucesso no Strategic Sourcing Como você desenvolve e nutre parcerias...

Qual a diferença entre TOTAL COST OF OWNERSHIP e...

Qual a diferença entre TOTAL COST OF OWNERSHIP e COST BREAKDOWN? TOTAL COST OF OWNERSHIP...

Quer tirar ideias do papel profissional de Compras? Conheça...

Quer tirar ideias do papel profissional de Compras? Conheça os métodos de Elon Musk! Quer...

As competências essenciais do comprador estratégico – Gestão do...

As competências essenciais do comprador estratégico - Gestão do Tempo No artigo anterior, Comprador Estratégico...

COMPRAS – Uma das áreas mais estratégicas da sua...

COMPRAS – Uma das áreas mais estratégicas da sua empresa! Compras ou Suprimentos, mais conhecidos...

Procurement e Purchasing – Quais são as diferenças?

Saiba por que Procurement e Purchasing não são a mesma coisa e como suas...

MAIS ACESSADOS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui