Savings e Cost Avoidance: Qual a diferença entre essas duas métricas?

Savings e Cost Avoidance: Qual a diferença entre essas duas métricas?

Profissionais de Compras! Muito se fala sobre Savings e Cost Avoidance mas qual a diferença entre essas duas métricas e KPIs tão importantes para Procurement?
Como a função de compras, ou seja a área de compras está no centro das atenções no momento e isso é resultado de muitos anos lutando para sermos reconhecidos, diga se de passagem.

Quando se trata de economizar dinheiro dentro de uma organização. Uma das principais métricas que Procurement usa para acompanhar o sucesso é a economia de custos ou seja SAVINGS.

Cada vez mais, as empresas procuram estratégias de prevenção de custos para continuar otimizando assim que a economia máxima de custos for alcançada.

OU SEJA ir além e buscar a redução do TCO – Custo Total de Propriedade e que já publicamos aqui e voltaremos a publicar.

Savings e Cost Avoidance definições

Economia de custos SAVINGS vs. Custos evitados COST AVOIDANCE

Economia de custos SAVINGS

Os Savings acontecem quando você reduz o que está pagando e, portanto, melhora os ganhos financeiros para o negócio.

A prevenção de custos ou custos evitados – Cost Avoidance, por outro lado, ocorre quando você pode simplesmente remover a necessidade de um custo por completo. Em vez de gastar menos, você evita um custo.

Exemplo: Tem um reajuste previsto no seu contrato pelo IPCA e você negocia abaixo dele ou até mesmo zera esse reajuste.

Ambas as Métricas compartilham o mesmo objetivo de reduzir despesas.

Os Savings são muitas vezes chamados de Hard Savings, enquanto o custo evitado geralmente é chamado de Soft Savings.

Hard Savings é normalmente relativamente mais fácil de se apurar e refere-se a uma redução no preço de compra de um material e ou serviço. Ou seja Diretos, Indiretos e também Capex.

Essa métrica é fácil de rastrear simplesmente calculando a diferença de preço do item depois de negociar uma redução no preço.

Existem pelo menos 5 métricas para cálculo de Savings

  1. Baseline VS preço final negociado
  2. Orçamento VS preço final negociado
  3. 1° preço recebido versus preço final negociado
  4. Média de preço de mercado versus preço final negociado
  5. Menor preço obtido versus ganho na mesa = Preço final negociado

Podem existir outras métricas para cálculo de Savings mas precisa ser aprovada pelo C Level e estar de acordo com a Política de Compras.

O mesmo se aplica ao pênalti quando existe um aumento de custo mesmo após a negociação. Mas falaremos a respeito desse tema em outro Post junto com o TCO.

Custos evitados COST AVOIDANCE

Custo Evitado: Pode ser mais difícil determinar essa economia pois geralmente vêm associada a outras medidas de mitigação de aumento dos custos

Mas Procurement atua fortemente para reduzir tais pressões inflacionárias e reduzir ao máximo o pleito do fornecedor ou até mesmo evitar 100% do reajuste

Não é tarefa fácil mas demonstra também a necessidade de ser uma equipe muito bem preparada e munida de informações, Market Intel, visão de parceria estratégica de longo prazo entre outros skills e pontos importantes para se ter êxito neste tipo de negociação.

CEO at Procurement Garage | leonardo.alexander@procurementgarage.com | + posts

Mais de 30 anos de experiência sendo Head de Suprimentos na AmBev/AB-InBev, P&G (Consumer Goods), B. Braun (Farma) e LATAM Head of Supply Chain Planning & Performance na BP (British Petroleum).

Graduado em comércio exterior, extensão pela Columbia University e MIT ACE Program.

spot_imgspot_img

Receber Newsletter

Artigos Relacionados

FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais Parte 3

FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais Parte 3 Nos dois primeiros...

Podemos ir além de pedir descontos e negociar estrategicamente!

Podemos ir além de pedir descontos e negociar estrategicamente! Embora...

FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais Parte 2

Implementação do FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais Parte 2 No...

5 estratégias para Compras e Contratações para a área de Marketing!

5 estratégias para Compras e Contratações para a área...

FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais – Parte 1

FRAME AGREEMENT – Conceitos Fundamentais - Parte 1 FRAME AGREEMENT...
spot_imgspot_img
Leonardo Alexander
Leonardo Alexander
Mais de 30 anos de experiência sendo Head de Suprimentos na AmBev/AB-InBev, P&G (Consumer Goods), B. Braun (Farma) e LATAM Head of Supply Chain Planning & Performance na BP (British Petroleum). Graduado em comércio exterior, extensão pela Columbia University e MIT ACE Program.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui