A influência da política e economia na Gestão de Compras

A influência da política e economia na Gestão de Compras

Atravessamos um período conturbado no Brasil e de difícil mensuração das consequências que essa crise sanitária deixará como “legado”.

O crescimento por meio de reformas estruturantes que poderiam contribuir para melhorar a condição e qualidade de vida do trabalhador, as condições externas favoráveis que poderiam colaborar para o superávit da balança comercial brasileira e inúmeras outras ações que poderiam ser envidadas para qualificar o ambiente de negócios, continuam sendo importantes, contudo o inimigo prioritário a ser combatido hoje se chama Covid-19 e esse colocou o mundo, inclusive o Brasil de joelhos, exortando-nos a uma redefinição forçosa de prioridades.

Há uma onda de pessimismo no país, motivada pela herança da má gestão da economia, cuja mediocridade não se deve exclusivamente à crise internacional e isso criou o temor de colapso.

A perda de capacidade de articulação política para aprovar medidas indispensáveis, o mercado de trabalho combalido, os recursos para os investimentos em infraestrutura suspensos ou postergados, tudo isso coopera para a atmosfera de incertezas aos olhos dos investidores potencialmente interessados em fazer negócios no Brasil.

É fundamental uma reflexão sobre todas as mazelas que permeiam as esferas política, econômica e ética, as quais desqualificam o ambiente de negócios, drenam a energia e a capacidade de impulso do país, e produzem forte influência na gestão de compras.

A perda de otimismo e o arrefecimento da atividade econômica fizeram o Brasil perder posições em um ranking de competitividade, que analisou o desempenho da economia de diversos países.

O Brasil está sofrendo de uma queda na economia doméstica e de opiniões menos otimistas dos executivos de negócio.

A redução da competitividade, na aldeia global, afugenta os investimentos e maximiza a desconfiança do empresariado, em relação à capacidade de reação do país, nesse contexto desfavorável.

A produtividade e a eficiência são a mola propulsora da competitividade, as companhias estão aumentando os seus esforços para minimizar o seu impacto ambiental e prover uma forte estrutura organizacional, na qual a força de trabalho se desenvolva, todavia, é necessário um ambiente econômico e político transparente, ético e sério, para que as bases da credibilidade possam ser construídas e a confiança resgatada.

A retomada da economia brasileira dependerá da execução do ajuste fiscal, proposto pelo governo, porém, outras medidas, entre elas reformas estruturantes como comentei no início do artigo, são vitais para assegurar a fortaleza e sustentabilidade econômica do país no médio e longo prazo.

A atual conjuntura da economia brasileira demanda, ainda mais, da gestão de compras, a adoção de um posicionamento mais estratégico e assertivo, para combater as incertezas e flutuações do mercado.

Um dos grandes desafios, com o qual se deparam as instituições na atualidade, é a limitação dos recursos disponíveis para manter as suas operações em um mercado cada vez mais competitivo, que comprime as margens de lucro e pressiona as empresas para manter os preços de venda mais baixos.

Contratos cancelados e queda expressiva nas vendas, o mercado que vivia uma forte expectativa de expansão, agora experimenta a retração econômica e os seus indesejáveis efeitos nas projeções de crescimento.

A crise é uma realidade e, para minimizar tais feitos, as empresas precisam cortar gastos com critério e responsabilidade.

Com esse cenário como pano de fundo, é indispensável alocar esses recursos limitados da melhor maneira possível.

A gestão de Compras tem sido demandada para dar subsídio e responder a duas questões simultaneamente:

  1. Onde e como se deve gastar dinheiro eficazmente?
  2. Quanto se deve gastar (limite)?

Concomitantemente a isso, a gestão de compras precisa, também, garantir qualidade a cada produto ou serviço ofertado, ou seja, o ideal de se produzir mais com menos recursos agora é fato, não se adequar a essa nova regra significa assumir riscos ainda mais devastadores para o negócio. Por conseguinte, o corte de gastos é uma ação que deve ser criteriosa e bem estruturada.

A gestão de compras deve assumir o protagonismo e com o seu background, apontar caminhos de oportunidades, ajudar a evitar e/ou minimizar os gastos desnecessários, repelir desperdícios e despertar a consciência de aplicação responsável dos recursos da companhia devem ser um mantra a ser perseguido por todos, de forma obsessiva.

Essas são algumas ações estratégicas que a gestão de compras pode adotar para contribuir e ajudar a preservar a lucratividade e a competitividade do negócio, principalmente, em momentos de forte turbulência como o que estamos vivendo.

ARTIGOS RELACIONADOS

spot_img

MAIS ARTIGOS

7 passos para se ter sucesso no Strategic Sourcing

7 passos para se ter sucesso no Strategic Sourcing Como você desenvolve e nutre parcerias...

Qual a diferença entre TOTAL COST OF OWNERSHIP e...

Qual a diferença entre TOTAL COST OF OWNERSHIP e COST BREAKDOWN? TOTAL COST OF OWNERSHIP...

Quer tirar ideias do papel profissional de Compras? Conheça...

Quer tirar ideias do papel profissional de Compras? Conheça os métodos de Elon Musk! Quer...

As competências essenciais do comprador estratégico – Gestão do...

As competências essenciais do comprador estratégico - Gestão do Tempo No artigo anterior, Comprador Estratégico...

COMPRAS – Uma das áreas mais estratégicas da sua...

COMPRAS – Uma das áreas mais estratégicas da sua empresa! Compras ou Suprimentos, mais conhecidos...

Procurement e Purchasing – Quais são as diferenças?

Saiba por que Procurement e Purchasing não são a mesma coisa e como suas...

MAIS ACESSADOS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui